Saint-Fons

O Presépio, o Calvário e o Tabernáculo", dizia o Padre Chevrier, "não são os centros aos quais todos os homens devem dirigir-se para receber a vida e a paz, e daí ir para Deus?" (O Discípulo Verdadeiro, p. 104).

SãoFons1

Em 1866, depois da festa da Assunção", conta o Padre Jaricot, "o Padre Chevrier levou consigo doze dos seus filhos - eu era um deles - para fazer um retiro [em Saint-Fons] nesta solidão predileta. O pequeno estábulo foi escolhido como oratório e transformado. O Padre Chevrier coloca um pequeno Jesus no berço, semelhante ao do Prado. Começou as inscrições, que completou mais tarde e que ainda se podem ver. Este era o nosso lugar de encontro e de oração" (Jean-Claude Jaricot, Procès de béatification, t. 3, art. 139).

O contexto é o de uma fundação. O "Padre Chevrier tomou consigo doze dos seus filhos" para os levar para a montanha de Saint-Fons, onde ele próprio gostava de se retirar de vez em quando, na solidão. O número "doze" lembra evidentemente a instituição dos Doze por Jesus no monte: "Jesus subiu ao monte - escreve São Marcos - e chamou a si os que quis. Vieram ter com ele, e ele designou doze para serem seus companheiros e para os enviar a pregar, com autoridade para expulsar demónios. Assim designou os Doze" e o evangelista dá-lhes depois os nomes (Mc 3,13-19).

O quadro de Saint-Fons, de O Discípulo Verdadeiro. Quando se abre este livro que o Padre Chevrier, fundador do Prado, escreveu para a formação dos seus futuros padres e, mais amplamente, para todos aqueles que desejam seguir o caminho do Evangelho, nota-se que ele se refere várias vezes ao quadro de Saint-Fons.
No seu estudo sobre os Títulos de Jesus Cristo, falando de Cristo como um "centro para o qual tudo deve convergir", escreve: "Não são o berço, o Calvário e o Tabernáculo centros para onde todos os homens devem ir para receber a vida e a paz, e daí ir para Deus?" (O Verdadeiro Discípulo, p. 104).

No seu capítulo sobre a renúncia ao espírito, o Padre Chevrier escreve: "Os santos inspiraram-se e pensaram no amor infinito de Deus - Deus é amor - no berço, no Calvário e no tabernáculo, que são os três grandes faróis à luz dos quais um verdadeiro discípulo de Jesus Cristo se deve conduzir" (O Discípulo Verdadeiro, p. 228). Podemos comparar esta reflexão do Padre Chevrier com as palavras de Jesus no Evangelho segundo São João: "Eu sou a luz do mundo: quem me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida" (Jo 8,12). Esta luz que é Cristo brilha para nós particularmente nestes três lugares, que são também três momentos sucessivos do destino de Jesus: o berço, lugar e tempo do seu nascimento; a cruz, lugar e tempo do seu sofrimento e morte; a Eucaristia, lugar e tempo da sua presença para além da sua morte. E aqui já podemos ver como é paradoxal a afirmação do Padre Chevrier: no Natal, Jesus, segundo o Evangelho, nasceu à noite; quando Jesus morreu no Gólgota, as trevas, diz-se ainda, tinham caído sobre a terra e, na Eucaristia, o Deus do berço e da cruz está ainda mais escondido. E no entanto", diz o Padre Chevrier, "se fixardes o vosso olhar aí, se vos derdes ao trabalho de meditar estes mistérios para que eles revelem todo o seu significado, descobrireis que é aí que o amor de Deus se manifesta mais intensamente a nós.

 

 

 

-----

 Ver descrição em anexo.